sábado, 4 de maio de 2013

Jovens também morrem




Sei que pode soar como clichê, mas a juventude parece estar em extinção! Ser mãe, pai, professor/a, cuidador/a e afins têm sido cada vez mais doloroso, uma vez que muitas despedidas foram antecipadas! Esta elocução foi motivada por perdas recentes. Assim, como educadora – daí sobrevindo o ofício de testemunhar caminhos e descaminhos de jovens – sinto-me compelida a extravasar o meu luto!
Na unidade de ensino em que leciono há 21 anos(!), tomamos conhecimento de inúmeros casos de mortes de adolescentes e jovens que lá estudaram. Tais relatos nos deixam consternados: acidentes trágicos, assassinatos e, no caso mais recente – segundo informações – falha na prestação do serviço público de saúde! 
É inevitável;  indagamo-nos o porquê! Entretanto, atrevo-me, aqui, a declarar a causa mortis desta juventude, a qual é, senão as duas coisas, uma delas: descaso e desamor. O descaso advém de uma conjuntura de governo que se faz omissa e imprecisa. O desamor vem da falta de exemplos, de valores sagrados pouco vistos nas famílias, nas instituições ou comunidades. De qualquer sorte, mesmo corroída por lamento, uno-me àqueles que ainda se importam e oro na esperança de consolo, e de uma fé que se converta em ação!

                                                                                                                         Professora Rosana Souza


P.S.: O presente registro constitui uma singela homenagem à memória de ex-alunos cuja lembrança desfere constrição ao meu coração.Thairine Nogueira, Gisele Cordeiro e Erick Pereira são alguns deles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário